MOOC

MOOC: o acesso livre ao conhecimento

Publicado em Tempo de leitura: 3 minutos

Os MOOC (Massive Open Online Courses) são cursos online gratuitos cuja participação não é limitada a um número reduzido de estudantes. O termo foi criado, em 2008, por Dave Cormier mas foi, sobretudo, a partir de 2012 que este tipo de ensino à distância começou a tornar-se popular. Foi nessa altura que surgiram aquelas que são, actualmente, as principais plataformas do mercado e 2012 foi mesmo apelidado pelo The New York Times como sendo o ano dos MOOC.

De uma maneira geral, um MOOC consiste num conjunto de vídeo-aulas que vão sendo disponibilizadas ao longo da duração do curso. A partir daí, tem total liberdade para organizar o seu estudo, o que inclui: ver as vídeo-aulas, participar nos grupos de discussão (fóruns) e realizar as tarefas propostas.

Apenas terá de se preocupar em cumprir alguns prazos se desejar receber um certificação de participação e este documento poderá ser a única coisa pela qual terá de pagar mas isso depende do MOOC em questão. Na realidade, há cursos (alguns deles promovidos por prestigiadas universidades mundiais) que oferecem, gratuitamente, este certificado de participação.

Para os mais cépticos, ou seja, para aqueles que desvalorizam os MOOC , vale a pena conhecer a história de Laurie Pickard. Em Agosto de 2013, esta norte-americana lançou a si própria o desafio de concluir o equivalente a um MBA frequentando apenas MOOC. O objectivo era concluir 16 cursos online em 2 ou 3 anos e, para partilhar a sua experiência, Laurie criou o blog The No-Pay MBA. Surpreendentemente, a meio do percurso, ela já tinha concluído 20 cursos superando o currículo de um MBA e o seu feito foi notícia em diversos meios de comunicação.

The No-Pay MBA

A minha experiência com MOOC é mais modesta. Alias, tenho de confessar que não comecei com o pé direito em relação aos MOOC. De facto, acabei por desistir dos primeiros cursos em que me inscrevi porque assumi, ao início, que o grau de exigência seria bastante baixo. Pensei que 1 ou 2 horas por semana seriam mais do que suficientes para assistir às vídeo-aulas, participar minimamente nos grupos de discussão, realizar as tarefas propostas e obter um aproveitamento positivo… Estava redondamente enganado porque, na realidade, frequentar um MOOC requer um mindset similar ao que é necessário em ambientes de aprendizagem mais tradicionais como é o caso de uma sala de aulas.

Se não sabe por onde começar, seguem-se algumas sugestões:

Alison: A plataforma Alison foi fundada em 2007 e possui uma lista de cursos bastante interessante mas se quiser ter um certificado de participação terá de pagar por ele. O custo é variável conforme opte pela versão em pdf, papel ou papel com moldura.

Coursera: Em 2012, Andrew Ng e Daphne Koller deixaram a Universidade de Standford (onde eram professores) para fundar o Coursera, uma plataforma cuja missão é possibilitar que alunos de todo o mundo tenham acesso gratuito à educação de qualidade.

Eduke.me: Fundado em 2013, este projecto é português e foca-se sobretudo em temas relacionados com o Marketing Digital.

Edx: Criado, em Maio de 2012, o edX resulta de uma parceria estabelecida entre o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e a Universidade de Harvard. Esta plataforma surgiu com a visão de aumentar o acesso à aprendizagem de elevada qualidade para estudantes de todo o mundo ao mesmo tempo que re-imagina a educação nos seus próprios espaços.

FutureLearn: Estávamos em Dezembro de 2012 quando esta plataforma começou a distribuir cursos online gratuitos de prestigiadas universidades e instituições culturais.

Iversity: Este projecto começou por ser um Sistema de Gestão da Aprendizagem (SGA) mas, em Outubro de 2013, tornou-se uma plataforma de cursos online gratuitos.

Khan Academy: Fundada em 2006, esta plataforma oferece exercícios práticos, vídeo-aulas e um painel de aprendizagem personalizado que permite estudar ao seu próprio ritmo, dentro e fora da sala de aulas.

Miriada X: Esta plataforma foi criada em 2013 para impulsionar o conhecimento aberto no âmbito ibero-americano. A primeira universidade portuguesa a integrar o projecto foi a Universidade Nova de Lisboa.

Open2Study: É um projecto que foi lançado em 2013 pela Open Universities Australia, uma organização que se dedica ao ensino à distância de cursos de graduação e pós-graduação.

Udacity: Fundada em 2011, esta plataforma oferece cursos desenvolvidos por instituições bem conhecidas: Google, Facebook, Salesforce e Autodesk, entre outros.

Udemy: Criado em 2011, este projecto promove uma plataforma que especialistas de qualquer área podem usar para criar cursos que, posteriormente, são distribuídos gratuitamente ou mediante o pagamento de um valor variável.

Veduca: O Veduca é uma empresa brasileira de tecnologia cujo propósito é levar o ensino superior de qualidade a qualquer pessoa que se disponha a aprender.

E-mail Marketing

Se gostou deste artigo subscreva a newsletter e não perca a publicação de novos artigos.